Nesta quinta-feira (21), o diretor executivo da Associação Catarinense de Empresas Florestais (ACR), Mauro Murara Jr, participou da 42ª Reunião Ordinária da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva das Florestas Plantadas do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), em Brasília (DF). O ponto central da discussão foi o Plano Nacional de Desenvolvimento das Florestas Plantadas – PlantarFlorestas, importância e urgência da implementação do Plano.

Representantes de mais de 30 empresas privadas apresentaram propostas e sugestões para o novo Plano Agrícola e Pecuário (Plano Safra) 2019/2020 que irá vigorar a partir de 1º de julho deste ano. O setor pleiteia mais recursos e alongamento do pagamento do financiamento do Plano ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono).

O diretor geral do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), Valdir Colatto, falou sobre as mudanças no SFB: “Estamos com desafios para organizar essa questão florestal, que saiu da área do Meio Ambiente para o Ministério da Agricultura. Nós vamos, então, fazer com que haja um trabalho de congraçamento de afinidade entre agricultura e meio ambiente. Não há porque ter conflito nessas áreas, já que uma completa a outra”, salientou Colatto.

Comitê das Associações Estaduais
No mesmo dia o diretor executivo da ACR participou da reunião do Comitê das Associações Estaduais. No encontro foram deliberados os temas prioritários para atuação em 2019, que incluem: troca de informações e experiências em zoneamento ecológico, gargalos da logística para o setor florestal, combate a incêndios florestais e dificuldade de controle de espécies exóticas invasoras em APP.
Os integrantes do comitê também foram atualizados sobre as reuniões da Ibá com a ministra Tereza Cristina (MAPA), e foram convidados a participar da consulta pública da Resolução da Diretoria Colegiada da Anvisa. A resolução dispõe sobre a manutenção do ingrediente ativo glifosato em produtos agrotóxicos no Brasil; e do levantamento de indicadores sobre recursos hídricos, que visa ampliar a base de dados quantitativos para melhorar a comunicação setorial sobre o tema.

Com informações do MAPA e Ibá

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.