Nesta terça-feira (19) uma reunião online contou com a participação do diretor-executivo da Associação Catarinense de Empresas Florestais (ACR), Mauro Murara, do superintendente-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente (Abimci), Paulo Pupo e de representantes do departamento de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro) do estado de Santa Catarina, da Região Sul e de Brasília/DF. O foco do debate foi encontrar soluções para dar celeridade nas vistorias de produtos industrializados com madeira e evitar a perda de embarques e consequente prejuízos para as empresas do setor.  

“Tivemos pontos de avanço. Sabemos que o Vigiagro tem um déficit de pessoal, mas estão com um processo de implantação de uma central de análise automatizada para tramitar os documentos necessários para emissão de certificados fitossanitários para exportação”, explicou o diretor-executivo da ACR, Mauro Murara. A previsão é que até maio esta ferramenta seja colocada em prática pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Outro assunto tratado na reunião foi sobre o apoio do setor industrial da madeira para que o Ministério da Economia abra concurso ou que faça o chamamento de concursados para atuar junto ao Vigiagro, dando mais agilidade ao órgão.

Por último, foi discutido na reunião uma diferenciação para os processos de inspeção dos diferentes produtos industrializados de madeira, que são exportados a partir dos portos brasileiros.    

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.