A diretoria da Associação Catarinense de Empresas Florestais (ACR) teve uma agenda cheia esta semana na capital, Florianópolis. Os dois principais compromissos foram na Assembleia Legislativa (Alesc) e no Instituto do Meio Ambiente (IMA). O presidente da ACR, Alex Wellington dos Santos e o diretor executivo, Mauro Murara Jr, participaram do lançamento da Frente Parlamentar e do Fórum Parlamentar de apoio aos setores madeireiro, moveleiro, celulose e silvicultura.

Tanto a Frente quanto o Fórum Parlamentar foram requerimentos dos deputados Valdir Cobalchini (MDB) e Milton Hobus (PSD). A solenidade de lançamento dos novos colegiados ocorreu no Plenarinho Paulo Stuart Wright e contou com a presença de representantes do segmento de base florestal, além de expressiva participação de deputados.

Entre os objetivos anunciados pela frente e pelo fórum estão sugerir e acompanhar as políticas públicas e obras de infraestrutura que garantam a competitividade logística e o desenvolvimento econômico sustentável dos segmentos. “O setor moveleiro e madeireiro é muito forte e muito importante para a economia de Santa Catarina, e queremos poder discutir suas dificuldades e criar um canal de interlocução com o governo do Estado”, disse Cobalchini, que foi eleito coordenador da frente. Milton Hobus, que não estava presente devido a compromissos empresariais em Rio do Sul, foi eleito presidente do fórum.

O diretor executivo da ACR, Mauro Murara Jr, apresentou números do setor e alertou os parlamentares de que Santa Catarina conta com 31% da sua superfície florestal formada por mata nativa Atlântica, a segunda maior do Brasil, que são preservadas devido ao relevo e à legislação ambiental. Murara disse que esse percentual pode representar recursos por meio da moeda verde e que é importante buscar a compensação financeira para o Estado por meio do Código Ambiental e Florestal. “Com os dados apresentados no anuário estatístico que a ACR publicou em maio, falamos das possibilidades para o setor florestal em Santa Catarina. A próxima etapa é reunir o setor, através da ACR e da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), para fazermos uma pauta em comum das nossas demandas que será encaminhada aos deputados que compõem a frente parlamentar”, explicou o diretor executivo.

“Os setores madeireiros, moveleiro, celulose e silvicultura geram 90 mil empregos em 5,5 mil empresas de pequeno, médio e grande porte em Santa Catarina, ocupando uma área de 850 mil hectares e eles precisam contar com apoio parlamentar na defesa de legislações que beneficiem todo o estado”, enfatizou o deputado Valdir Cobalchini. Ele destacou que a frente e o fórum atuarão em demandas como questões tributárias, ambientais, benefícios fiscais e aprimoramento das legislações que afetam esses setores. “Temos que estimular o crescimento destas empresas, sem privilégios, mas com justiça, e para que elas permaneçam nas regiões onde estão gerando emprego e renda.”

Também integram a frente e o fórum Silvio Dreveck (PP), Coronel Mocellin (PSL), José Milton Scheffer (PP), Maurício Eskudlark (PL), Jerry Comper (MDB), Moacir Sopelsa (MDB), Marcius Machado (PL), Fabiano da Luz (PT), Luciane Carminatti (PT), Volnei Weber (MDB), Nilso Berlanda (PL), Sergio Motta (PRB), Ricardo Alba (PSL), Felipe Estevão (PSL), Paulinha (PDT), Dr. Vicente Caropreso (PSDB) e Marlene Fengler (PSD).

No mesmo dia, o presidente e o diretor executivo da ACR visitaram o Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA). “Entregamos um exemplar do nosso anuário estatístico e apresentamos a nova gestão da associação ao presidente do IMA, o Coronel Valdez Rodrigues Venâncio”, contou o presidente da ACR, Alex Wellington dos Santos.

Com informações da Agência AL/Ney Bueno e assessoria de imprensa da ACR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.