O plantio automatizado de florestas já é uma realidade. No Workshop “A modernização da silvicultura: tecnologia do futuro sendo aplicada agora”, que a Associação Catarinense de Empresas Florestais está organizando para o dia 23 de setembro, teremos a apresentação de Erico Picinatto Junior, gerente de Pós-Vendas da associada Komatsu, que falará sobre soluções para o plantio automatizado.

Conversamos com Erico para saber mais sobre como a Komatsu enxerga o setor florestal em Santa Catarina e as novidades que a empresa disponibiliza para o segmento:

ACR: Como a Komatsu enxerga o setor de base florestal em Santa Catarina?

Erico: A Região Sul do país possui características únicas na operação florestal do Brasil. Um mercado consolidado, eclético pelos desafios geográficos e tipos de operações de colheita, e exigente pela vasta experiência que possui. Santa Catarina representa uma fatia importante disso, e a Komatsu está investindo forte no estado, com time direcionado ao suporte ao cliente da região: técnicos de aplicação de produto, técnicos de manutenção e a nossa filial em Caçador, que já segue se consolidando pelo volume de atuação no pós-vendas, e de equipamentos já entregues aos nossos clientes nesses últimos anos. Temos uma estratégia que considera Santa Catarina um estado importantíssimo no negócio florestal da Komatsu nos próximos anos. Acreditamos muito no potencial desse estado, e seguimos atuando com equipamentos que atuam desde o plantio até qualquer tipo de colheita de madeira mecanizada.

ACR: Quais as novidades da Komatsu para o plantio de árvores?

Erico: A Komatsu oferece duas soluções automatizadas e mecanizadas para o plantio de pinus e eucalipto. A primeira é a Plantadeira D61 Planter, com três cabeçotes simultâneos de plantio, da Bracke. Esses cabeçotes são produzidos no Brasil. É uma máquina que fica sobre uma plataforma de trator esteira, e é recomendada para áreas planas e onduladas. A operação pode ser realizada no período noturno, é feita com georreferenciamento de muda e plantio irrigado. Toda a operação pode ser feita sem interferência do operador, com todo o processo automatizado.
A segunda opção é a escavadeira na plataforma de máquinas de 20 ou 25 toneladas, também com cabeçote Bracke, fazendo cinco operações simultâneas: preparo de solo, plantio, adubação de profundidade, adubação de cobertura e irrigação. Essa solução é orientada e dedicada para terrenos acidentados, de até 26 graus.

As inscrições para o Workshop “A modernização da silvicultura: tecnologia do futuro sendo aplicada agora” já estão abertas em: http://acr.org.br/cursos.

Profissionais de empresas associadas à ACR e outras associações de base florestal têm desconto na inscrição. As vagas são limitadas. Mais informações com Bruno Ferreira, pelo email: bruno@acr.org.br ou WhatsApp: (49) 9156-0675.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.