Rio Negrinho, no Planalto Norte Catarinense, está dentro de um dos maiores pólos florestal e madeireiro do sul do país. O município tem uma área com aproximadamente 22 mil hectares de florestas plantadas, grande maioria com pinus.
Nesta terça-feira (16), o diretor executivo da Associação Catarinense de Empresas Florestais (ACR), Mauro Murara Jr., participou, na cidade, de uma reunião do programa DEL (Desenvolvimento Estratégico Local). O programa é desenvolvido pela Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc) e coordenado pela prefeitura, câmara de vereadores e a Associação Empresarial de Rio Negrinho (Acirne).
O diretor executivo falou sobre cotas de reserva ambiental, moeda verde e sobre a forma que são feitas as compensações de áreas produtivas com áreas de Reserva Legal. “Falamos também sobre a importância da manutenção dos lençóis freáticos e dos cursos hídricos. Além de contribuir para o meio ambiente isto também ajuda na mitigação de cheias.”
Outro assunto tratado no encontro foi sobre o uso de produtos florestais não madeiráveis, como por exemplo a erva mate, que é uma planta nativa é pode ser usada para recuperação e restauração de Área de Preservação Permanente (APP). “Nós sempre incentivamos que as startups sejam estimuladas a pesquisar e desenvolver processos ou produtos de origem florestal. A floresta está cheia de produtos que podem ser potencializados como o pinhão, a resina do pinus, extrativos da erva mate, conservantes naturais, e muitos outros negócios verdes”, concluiu Murara Jr.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.